Amamentar em uma Dieta Low-Carb é Perigoso?

É perigoso amamentar durante uma dieta low-carb, rica em gordura?

Recentemente, a revista da Associação Médica Sueca publicou um relato do caso (resumo em Inglês) de uma mulher que, seis semanas após o parto, teve que ser hospitalizada por cetoacidose grave. Felizmente, ela se recuperou rapidamente e seus marcadores de saúde voltaram ao normal no dia seguinte.

Cetoacidose é uma condição perigosa, na maioria das vezes visto em diabéticos tipo 1 com deficiência aguda de insulina. Em casos raros, cetoacidose pode ocorrer em não-diabéticos após períodos prolongados de fome ou ingestão inadequada de alimentos, caso em que normalmente ocorre em combinação com o stress ou outras condições médicas.

A mulher, neste caso, já seguia uma alimentação low-carb e com alto teor de gordura por um longo tempo antes do incidente. Após dar à luz, no entanto, ela havia sofrido sintomas de gripe, febre, náuseas e uma completa perda de apetite. Apesar disso, ela ainda era capaz de amamentar o seu bebê que, naturalmente, supria suas necessidades nutricionais.

O relatório sobre o estudo do caso coloca a dieta de baixo carboidrato da mulher, como um possível fator contribuinte para a situação. No entanto, assim que a mídia descobriu, imediatamente exageraram neste possível fator, colocando-o como único causador da condição, (o que, como veremos, é improvável):

Nas próprias palavras da mulher

A mulher descrita no relatório do caso na revista contatou o Dr. por vontade própria através de conhecidos comuns. Ela conta uma história diferente da perpetuada pela mídia:

O que não está claro é que eu, a mulher que amamenta, já comia uma dieta LCHF durante cerca de seis anos antes deste incidente, mas, por causa do stress durante a minha segunda gravidez e após o parto, sofri perda de apetite. Isso me levou a mais estresse porque eu queria comer, mas meu corpo dizia que não. Nesta semana eu estava tentando comer de tudo, até mesmo as coisas que não se come em uma dieta baixa em carboidratos: biscoitos, iogurte, frutas … O problema foi que eu não estava consumido qualquer tipo de alimento de forma geral, e não obtive energia suficiente nem a partir de gorduras e nem de carboidratos.
E a gripe veio com uma febre que durou uma semana, isto aconteceu duas semanas antes de eu admitir ir ao hospital. E durante essa semana eu não comi quase nada, praticamente só bebia água. E enquanto eu não estava comendo minha filha estava, o que naturalmente me empobreceu de nutrientes. Dizer que eu fiquei doente porque seguia uma dieta low-carb é muito errado, eu lamentavelmente não comi praticamente nada e o pouco que eu comi realmente era carboidrato.
Eu continuo seguindo uma alimentação low-carb, mas a diferença entre agora e quando eu fiquei doente é que agora eu realmente como. Eu sou saudável e não tive quaisquer problemas durante o ano todo. Eu amamentei completamente a minha filha por mais 10 meses e não me senti mal em nenhum momento.

Observação

Depois de ler a história do ocorrido descrita pela própria mãe que viveu a situação, fica claro que este caso parece se enquadrar na categoria de cetoacidose induzida pela fome e por doença. É bem conhecido que a fome, pode em circunstâncias extremas resultar em cetoacidose, e pode ser que a demanda da amamentação contribuiu para isso.

Se a dieta low-carb contribuiu ou não para o curso dos acontecimentos está claro, mas é possível que ela possa ter sido parte da combinação de fatores por trás do desenvolvimento da cetoacidose (mesmo que a mulher em questão não estivesse fazendo uma dieta baixa em carboidrato nas últimas semanas antes de ser hospitalizada).

Muitas mulheres e mães compartilharam suas histórias de praticar uma dieta low-carb, com grande sucesso, e todas sem quaisquer problemas durante a amamentação. No entanto, teoricamente é possível que em casos raros uma estrita dieta low-carb seja muito exigente durante a lactação.

Durante a lactação, o corpo produz carboidratos para o leite materno. Se você está aderindo a uma rigorosa dieta baixa em carboidratos, isso significa que seu corpo terá de produzir mais carboidratos do que as pessoas que não têm filhos para alimentar. Especialmente em combinação com uma gripe ou inanição, isto pode, em casos extremos, ser demais para o corpo lidar.

Note que os novos medicamentos para diabetes que cuidam da glicose do corpo (inibidores de SGLT2), também em casos raros, pode resultar em cetoacidose . A perda da glicose por estas drogas de certa forma imita o efeito da amamentação.

De acordo com a revista da Associação Médica Sueca, houve 4 casos relatados em todo o mundo em cetoacidose durante a lactação, dos quais 2 possivelmente estão ligados a alimentação low-carb e os outros 2 estão ligados à fome. Outro relato de caso novo  em cetoacidose durante a lactação e alimentação baixa em carboidratos foi publicado recentemente, elevando o número total de casos suspeitos publicados a 5 casos.

Minha Recomendação

Embora estes casos sejam extremamente raros, um punhado de textos publicados na história moderna, dos quais todos parecem ter terminado bem, com a mulher se recuperando rapidamente, vale a pena levar a sério.

Na minha opinião, é uma boa ideia ter cautela se você optar por amamentar em uma dieta baixa em carboidrato. A melhor alternativa é optar um programa low-carb um pouco mais liberal.

Tendo em mente que a amamentação consome carboidratos, pode ser desnecessário optar por consumir menos de 50 g de carboidratos por dia. Isto, em teoria, corresponderia a uma rigorosa dieta LCHF para as pessoas que não amamentam. Embora o risco de consequências negativas durante uma rigorosa dieta LCHF enquanto amamentando seja mínimo, é absolutamente desnecessário correr este risco.

Então, como você pode reconhecer os primeiros sintomas de cetoacidose durante a amamentação em uma dieta baixa em carboidrato? Apesar, de ser altamente improvável que isso aconteça.

Você vai ter sede excessiva, dor de cabeça, náuseas e geralmente se sentir fraca como se estivesse doente. Nesse caso, você deve aumentar significativamente a quantidade de carboidratos e líquidos ingeridos, procure assistência médica imediatamente se você continuar se sentindo mal ao em vez de melhorar.

A coisa mais importante é, independentemente de ser em uma dieta baixa em carboidratos ou não, obter alimentos e nutrientes em geral suficientes durante a amamentação. Se você está encontrando dificuldade para se alimentar ao ponto de ter um baixo consumo nutricional (por exemplo, por causa de alguma doença), você deve entrar em contato com profissionais médicos para uma consulta.

Mais

“Jovem Mãe quase morre em uma dieta baixa em carboidratos”

Mais Sobre Efeitos Colaterais em Low-carb ou Paleo

Confira nosso guia completo sobre os efeitos colaterais mais comuns da low-carb e como curá-los. Alternativamente, você pode ir direto para a seção que lhe interessa:

Post Author
Admin Spar
Hugo Klemar é o autor de um best-seller de saúde na Amazon.com, INTESTINO: O SEU SEGUNDO CÉREBRO, bem como a Coleção CULINÁRIA QUE EMAGRECE com 5 volumes e o e-book de saúde e fitness COMO NÃO EMAGRECER, que já venderam milhares de unidades por todo o mundo.